O chilique de Dória.

O chilique de Dória.

Por não ter sido convidado para comitê da pandemia, Doria fica triste.

O presidente Jair Bolsonaro reuniu, na quarta-feira (24), os chefes dos Três Poderes e governadores dos Estados brasileiros para a criação de um comitê nacional de combate à pandemia da Covid-19.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), conhecido por “soltar” críticas e ofensas graves ao presidente, evidentemente não foi convidado para o encontro.

Romeu Zema foi incubido de representar os estados do Sudeste.Ciente do evento, Doria fez questão de demonstrar por que é tido como um dos “principais desafetos” do chefe do Executivo.

“(Bolsonaro) Exclui governadores que estão trabalhando para proteger a vida de brasileiros”, alegou o tucano, que classificou o projeto do Governo Federal como “não confiável”.

“O Brasil quer vacinação. O Brasil não quer comitê de adulação e disso não participo”, reclamou, visivelmente, contrariado por não ter sido convidado.

“Este comitê, primeiro, não nos representa.

Nós não fomos convidados e aquilo que representa a saúde, a necessidade de proteção da vida dos brasileiros de São Paulo, deve ser tratado com o governador do estado de São Paulo e não com o representante do governador do estado de São Paulo”, criticou, referindo-se ao governador de Minas Gerais, Romeu Zema (Novo).

Dória

Destilando ódio, Doria ainda reprovou o pronunciamento nacional do presidente Jair Bolsonaro, na terça-feira (23), declarando que trata-se de “inverdades”.

Parece óbvio que a única intenção de Doria é politizar a pandemia, para tentar se rivalizar com o presidente Jair Bolsonaro. Vê nisso claramente a possibilidade de contabilizar dividendos eleitorais.

Share

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *